a man sitting in front of a laptop beside an upset woman

Por que “brincalhões” podem se tornar agressivos? Psicanálise Aplicada

Por que o brincalhão se torna um vulcão em erupção quando cobrado?

Em nosso dia a dia, encontramos diversos tipos de personalidades. Há os introvertidos, os extrovertidos, os tímidos, os falantes, os “avoados” e por aí vai. Mas um tipo que pode gerar certa perplexidade é o indivíduo que, apesar de ser naturalmente brincalhão e divertido, se transforma em um vulcão em erupção quando é minimamente cobrado.

Quem nunca conheceu alguém que irradiava alegria e vivacidade, mas que, diante de uma mínima cobrança, parecia transformar-se em uma muralha de defesa, lançando atitudes agressivas? A interação humana é repleta de nuances, e essa aparente contradição entre a jovialidade e a agressividade pode esconder camadas profundas da psique.

burnout agende sua consulta

Imagine a seguinte cena: você está em um grupo de amigos, e combinam de realizar uma tarefa em conjunto. Ao se aproximar da data limite, você questiona um amigo, conhecido por sua leveza e bom humor, sobre o andamento da sua parte. De repente, o clima muda completamente. A resposta, antes amistosa, torna-se ríspida e defensiva. Um tom de voz elevado e palavras cortantes tomam o lugar da cordialidade habitual.

O que faz com que o “Sr. Alegria” se transforme no “Sr. Estresse” em um piscar de olhos?

Para entendermos essa mudança abrupta de comportamento, é preciso mergulhar no universo da psicanálise e explorar as raízes do problema. Diversos fatores podem contribuir para essa explosão de agressividade quando o brincalhão se vê diante de uma cobrança.

1. Inseguranças camufladas:

Por trás da máscara da alegria e da descontração, pode se esconder um indivíduo inseguro e com baixa autoestima. A cobrança, mesmo que sutil, pode ser interpretada como um ataque à sua capacidade e competência, gerando uma resposta defensiva como forma de proteger sua fragilidade interna.

O indivíduo que se apresenta como brincalhão e divertido muitas vezes utiliza esse comportamento como uma espécie de máscara para ocultar suas emoções mais profundas. Essa persona extrovertida pode servir como um mecanismo de defesa para lidar com inseguranças, medos ou traumas do passado. Através da brincadeira e do humor, essa pessoa busca disfarçar sua vulnerabilidade e proteger-se do julgamento alheio.

Exemplo: Imagine o João, o “palhaço” da turma. Ele está sempre contando piadas e fazendo todos rirem. Mas, no fundo, ele se sente inferior aos amigos e tem medo de ser rejeitado. Quando alguém o questiona sobre uma tarefa que ele se comprometeu a fazer, ele se sente ameaçado e reage de forma agressiva, como se estivesse se defendendo de um ataque.

2. Frustração: o monstro de olhos azuis:

A vida adulta é repleta de responsabilidades e prazos. Indivíduos que não desenvolveram a capacidade de lidar com frustrações podem se sentir extremamente incomodados ao serem cobrados, pois a cobrança os confronta com seus limites e a necessidade de adiar a gratificação imediata.

Exemplo: A Maria é a “rainha da organização”. Ela sempre faz tudo certinho e no prazo. Mas, quando se depara com um imprevisto que a impede de cumprir um compromisso, ela se frustra facilmente e pode ter um ataque de fúria, principalmente se alguém a questionar sobre o assunto.

3. Infância e cobranças excessivas: fantasmas do passado:

As raízes do problema podem estar na infância. Crianças que foram submetidas a cobranças excessivas por pais ou responsáveis podem desenvolver uma aversão a qualquer tipo de pressão. Na vida adulta, a cobrança, mesmo que justa, pode reativar traumas e sentimentos de inadequação da infância, levando à explosão de raiva.

Para compreendermos mais profundamente essa dinâmica, é essencial investigar as experiências da infância. Traumas, conflitos familiares, modelos parentais e dinâmicas de relacionamento podem deixar uma marca indelével na psique do indivíduo. Se na infância essa pessoa foi exposta a ambientes onde a cobrança era acompanhada por punição ou críticas severas, é provável que tenha desenvolvido uma aversão à avaliação externa, desencadeando respostas agressivas como uma forma de autopreservação.

Exemplo: O Pedro sempre foi o “queridinho” da professora. Ele era obrigado a tirar boas notas e ser o melhor em tudo. Essa pressão constante o deixou com sequelas. Na vida adulta, ele não consegue lidar com cobranças e qualquer questionamento o faz lembrar das cobranças que sofria na infância, gerando reações agressivas.

4. Falta de assertividade: um cabo de guerra na comunicação:

A comunicação assertiva é fundamental para uma boa relação interpessoal. Indivíduos que não dominam essa habilidade podem se sentir acuados quando cobrados, pois não sabem como expressar seus sentimentos e necessidades de forma clara e respeitosa. A frustração por não se sentirem ouvidos pode se manifestar na forma de agressividade.

Exemplo: A Ana é uma pessoa muito tímida. Ela tem dificuldade em se expressar e dizer o que pensa. Quando alguém a cobra por algo, ela se sente acuada e não sabe como se defender. Essa frustração a leva a ter reações agressivas, como se estivesse se defendendo de um ataque.

O que fazer para domar esse vulcão?

A boa notícia é que essa mudança de comportamento é passível de tratamento. Através da psicanálise, o indivíduo pode:

  • Descobrir as raízes de suas inseguranças e desenvolver sua autoestima, se tornando mais confiante em suas capacidades;
  • Aprender a lidar com frustrações de forma mais saudável, desenvolvendo resiliência e tolerância à decepção;
  • Reconhecer e trabalhar traumas da infância, libertando-se dos fantasmas do passado.
  • Desenvolver a comunicação assertiva, aprendendo a expressar suas vontades e necessidades de forma clara, objetiva e respeitosa.

Além da psicanálise, algumas dicas podem ajudar o próprio indivíduo a domar o seu vulcão interno:

  • Autoconhecimento: Faça uma reflexão sobre si mesmo. Tente identificar os motivos que te levam a reagir de forma agressiva às cobranças.
  • Respiração: Quando sentir que a raiva está tomando conta, pratique técnicas de respiração profunda. Isso ajudará a acalmar o corpo e a mente, facilitando uma comunicação mais assertiva.
  • Empatia: Tente se colocar no lugar da pessoa que está te cobrando. Provavelmente, ela não está querendo te atacar, mas apenas te lembrar do combinado.
  • Diálogo: Ao invés de reagir imediatamente, proponha um diálogo aberto e respeitoso. Explique suas dificuldades e tente negociar prazos e expectativas.

Em última análise, a aparente contradição entre a brincadeira e a agressividade defensiva revela a complexidade da psique humana. Ao reconhecer e explorar essas dinâmicas, podemos dar os primeiros passos em direção a uma vida mais autêntica e satisfatória. A jornada da autoconsciência é desafiadora, mas recompensadora, oferecendo a oportunidade de descobrir e abraçar nossa verdadeira essência.

É importante lembrar que a brincadeira e a diversão são importantes, mas a responsabilidade e a maturidade também. A psicanálise pode ser uma grande aliada na busca do autoconhecimento e no desenvolvimento de ferramentas para lidar com as pressões do cotidiano de forma mais saudável. Ao domar o “vulcão interior”, o “Sr. Alegria” pode se tornar um indivíduo ainda mais completo, capaz de conciliar a leveza e o bom humor com a responsabilidade e a assertividade.

girl in blue hoodie playing a computer video game

Gaming e Narcisismo: quando um gamer é narcisista? Psicanálise Aplicada

Em primeiro lugar, preciso dizer a você que está lendo este artigo que eu me considero um “gamer”(pessoa que joga jogos eletrônicos periodicamente). E não vejo nada de errado em querer se divertir no mundo de aventuras que nos oferece os jogos eletrônicos. O ponto aqui é saber quando passamos do ponto do agradável e positivo e entramos no território do narcisismo.

O mundo dos jogos eletrônicos, um ambiente virtual repleto de desafios, competições e interações sociais, tem despertado interesse crescente no âmbito da psicologia, especialmente no que diz respeito às possíveis conexões com traços narcisistas. Vamos explorar como o narcisismo pode se manifestar nesse cenário e como a psicanálise pode oferecer insights valiosos.

Narcisismo: Uma Breve Visão Geral

O narcisismo, conforme definido na psicanálise, é um fenômeno que abrange desde a fase normal do desenvolvimento infantil até formas patológicas. Na infância, é esperado que a criança concentre sua atenção em si mesma antes de desenvolver a capacidade de se relacionar com os outros. No entanto, quando esses traços se tornam excessivos e prejudiciais, podemos estar diante do narcisismo patológico.

O narcisismo, na teoria psicanalítica proposta por Sigmund Freud, é uma fase normal do desenvolvimento infantil. Nessa fase, a criança direciona seu amor e atenção para si mesma, antes de se voltar para os outros. O termo “narcisismo” deriva da mitologia grega, em que Narciso se apaixonou por sua própria imagem refletida na água.

Tipos de Narcisismo:

  1. Narcisismo Primário: Essa é a fase inicial do desenvolvimento, em que o bebê está centrado em suas próprias necessidades e desejos. O bebê vê a mãe como uma extensão de si mesmo, contribuindo para a formação do eu.
  2. Narcisismo Secundário: À medida que a criança cresce, ela desenvolve a capacidade de se relacionar com os outros. No entanto, traços narcisistas podem persistir, e o equilíbrio entre o amor próprio e a consideração pelos outros varia.
  3. Narcisismo Patológico: Quando os traços narcisistas se tornam extremos e prejudiciais, é considerado narcisismo patológico. Isso pode se manifestar como uma falta de empatia, exploração dos outros para atender às próprias necessidades e uma busca incessante por admiração. E há dentro do narcisismo patológico vários variantes, como o narcisismo perverso, narcisismo vulnerável entre outros. Além disso, muitos autores usam outras definições para diversas variações do narcisismo.

Conexões Entre Narcisismo e Gaming:

  1. Busca por Admiração: Muitos jogadores buscam reconhecimento e admiração dentro das comunidades de jogos. Isso pode ser comparado ao narcisismo no sentido de uma busca por validação externa e destaque.

    Falando um pouco mais sobre isso, quero comentar algo que infelizmente é muito comum. Um jogador quando está em um grupo de gamers, procura aumentar ou “maquiar” seus resultados nos games que ele joga, talvez afirmando ter jogado milhares de horas, ter explorado o game de todas as maneiras possíveis e ainda afirmar que a melhor forma de jogar o game é a forma que ele desenvolveu, sendo que segundo ele, quem não jogar como ele afirma ser a forma correta, com certeza é um “amador”. Quando alguém apresenta gravações de seus jogos, ele tenta diminuir o valor ou a relevância da gravação.

    Outra situação acontece quando em uma comunidade nas redes sociais, um gamer procura se intitular com nomes suntuosos, que tentem transformá-lo em praticamente uma entidade do mundo dos games.
  2. Autoimagem Idealizada: A criação de avatares personalizados e a busca por conquistas virtuais podem refletir a construção de uma autoimagem idealizada. Os jogadores podem usar o ambiente virtual para expressar características que desejariam ter na vida real. Esse é um ponto bem interessante. Se nas redes sociais se utiliza comumente fotos perfeitamente editadas para que a pessoa pareça muito mais atraente do que realmente talvez seja, no mundo dos games isso é levado a outro nível. Muitos avatares em games exibem imagens de poder, em alguns casos usando uma foto pessoal editada para parecer uma celebridade ou de certa forma endeusada.
  3. Empatia Reduzida: Em alguns casos, jogadores extremamente focados em suas próprias conquistas podem apresentar uma empatia reduzida em relação aos outros jogadores. Isso se alinha com o narcisismo patológico, que muitas vezes envolve uma falta de consideração pelos sentimentos alheios.
    Isso se evidencia principalmente em comunidades gamer. Existe praticamente uma obsessão em se mostrar os resultados de partidas vitoriosas (as que a pessoa perdeu jamais serão mostradas), muitas vezes, junto com o vídeo da gravação da gameplay, há palavras de desafio ou até de ataque aos adversários derrotados.

A Psicanálise e o Mundo dos Games:

Ao analisar a relação entre narcisismo e gaming, a psicanálise pode oferecer abordagens terapêuticas valiosas. O psicanalista pode explorar as motivações subjacentes por trás do comportamento do jogador, buscando compreender se os traços narcisistas são uma extensão de características mais profundas ou uma expressão temporária no ambiente virtual.

Afinal, é preciso saber a origem desse comportamento. Por que a pessoa faz isso? Será que ela tem problemas com sua autoestima e usa seus resultados no game para compensar esses sentimentos negativos? Teria ela passado por algum momento traumático em algum momento em sua vida, em que ela foi talvez humilhada ou atacada de outra forma? Será que essa pessoa cresceu sendo feita acreditar que ela é merecedora de veneração por parte das outras pessoas? Existem muitas possibilidades. Somente durante terapia podemos entender melhor a pessoa e principalmente ela poderá entender a si mesma.

Tratamento e Reflexão:

O tratamento do narcisismo no contexto dos jogos envolve a análise das dinâmicas pessoais do jogador, buscando entender como o mundo virtual pode influenciar a autoimagem e as interações sociais. A terapia psicanalítica pode auxiliar na promoção de uma compreensão mais equilibrada do eu, incentivando a empatia e o reconhecimento das necessidades dos outros jogadores.

É importante dizer que assim como para muitas outras coisas na vida, o excesso sempre é perigoso. Disfrutar de um game pode ser muito divertido, social e inclusive pode ajudar a desenvolver habilidades. Existem inclusive, estudos que comprovam que essa atividade pode contribuir para nossas capacidades cognitivas. Há outros estudos que mostram até que video-games podem promover melhorar cardíacas em adultos jovens.

Mas o excesso de tempo que uma pessoa passa jogando pode gerar problemas de vários tipos. Ela pode deixar de conviver com amigos e familia, pode deixar de cumprir compromissos importantes e se realmente se tornar vício, pode fazer com que a pessoa não se sinta bem se não jogar todos os dias.

Não seria correto dizer que jogar games eletrônicos faz com que alguém desenvolva algum tipo de narcisismo. Mas uma pessoa que já tenha traços narcisistas pode usar os games como um novo canal para expressar seu narcisismo.

Agora falando sobre o tratamento de uma pessoa narcisista. Isso pode ser uma missão muito difícil, pois de maneira geral, um narcisista jamais admite sua situação. Ao contrário, ao ser confrontado, ele costuma culpar a outros, o sistema, a comunidade, qualquer pessoa, menos ele. E como ele não acredita que precisa de terapia, ele geralmente não procura tratamento, já que em sua mente, ele não precisa.

Reconhecer sua situação é certamente o primeiro passo. Isso abre as portas para que um processo terapêutico possa acontecer. Durante a terapia, a pessoa irá descobrir os motivos que levaram ela a desenvolver certos comportamentos e isso a ajudará a tomar boas decisões em sua vida, inclusive para corrigir comportamentos que ela entenda que podem prejudicar ela e outras pessoas.

Em última análise, a relação entre narcisismo e gaming é complexa e multifacetada. Enquanto alguns jogadores podem expressar traços narcisistas de forma moderada e inofensiva, outros podem apresentar comportamentos mais preocupantes. A psicanálise oferece uma lente valiosa para entender essas dinâmicas e orientar o tratamento, promovendo um equilíbrio saudável entre a autoexpressão virtual e as relações sociais no mundo real.

Quer falar comigo? CLIQUE AQUI.

Fontes bibliográficas:

Rivero, T. S., Querino, E. H. G., & Starling-Alves, I. (2012). Videogame: seu impacto na atenção, percepção e funções executivas. Neuropsicologia Latinoamericana4(3).

Brito-Gomes, J. L. D., Perrier-Melo, R. J., Brito, A. D. F., & Costa, M. D. C. (2018). Videogames ativos promovem benefícios cardiovasculares em adultos jovens? Ensaio clínico randomizado. Revista Brasileira de Ciências do Esporte40(1), 62-69.

statue of nude man between columns of buildings

Por que existem pessoas exibicionistas? Psicanálise Aplicada

Explorando o Exibicionismo: Uma Perspectiva Psicanalítica

O exibicionismo é um fenômeno intrigante que, do ponto de vista psicanalítico, pode ter origens profundas na psique humana. É importante compreender e abordar essas questões de forma sensível e profunda. Neste artigo, exploraremos o exibicionismo, oferecendo uma visão psicanalítica, exemplos práticos e estratégias para lidar com indivíduos exibicionistas.

É importante mencionar que uma pessoa pode ter comportamento exibicionista por vários motivos e um deles pode ser por ela demonstrar características exibicionistas perversas. A perversão se refere à tendência de práticas e preferências sexuais atípicas, muitas vezes consideradas não aceitadas pela sociedade.

Neste artigo, vou comentar com você o exibicionismo como um todo, tanto dentro como fora da perversão.

agende sua sessao psicanalise

A Natureza do Exibicionismo na Psicanálise:

A psicanálise, criada por Sigmund Freud, propõe uma forma singular de compreender o comportamento humano. No que se refere ao exibicionismo, Freud associaria essa conduta à realização do instinto sexual, evidenciado pelo anseio de ser visto ou elogiado. A libido, de acordo com a teoria freudiana, procura incessantemente modos de se expressar, e o exibicionismo pode ser considerado como uma modalidade específica dessa expressão.

Exemplos Práticos de Comportamento Exibicionista:

  1. Exibicionismo Virtual:
  • A partilha excessiva de detalhes íntimos nas redes sociais pode ser uma manifestação moderna do exibicionismo. O envio dos famosos “nudes” seja via telefones celulares ou redes sociais é cada vez mais comum, tanto entre pessoas que estão em um relacionamento amoroso, como também pessoas que fazem essa troca “por diversão”, o que é algo realmente perigoso para as duas partes.
  • Pessoas que constantemente buscam validação online através de fotos sugestivas ou postagens provocativas, não necessariamente expondo nudez, mas sensualizando nas imagens. Muitas dessas pessoas fazem isso em alguns casos mais como uma expressão narcisista que apenas exibicionista. Você conhece alguém que nas redes sociais posta praticamente todo dia fotos fazendo “biquinho” simulando um beijo para a câmera?
  • Além desses, existem pessoas que gostam de se expor publicamente. Pode ser que uma pessoa decida por exemplo, estar sem roupas em casa, porém com janelas bem apertas, para que seja possível para quem está fora da casa dela vê-la sem roupas. E infelizmente, de vez em quando aparece nas notícias pessoas que decidem se expor, principalmente seus órgãos genitais em público ou para certo grupo de pessoas. Esse certamente é o pior dos casos.
  1. Exibicionismo no Ambiente Profissional:
  • Indivíduos que constantemente buscam chamar a atenção para suas conquistas profissionais, mesmo que de maneira inadequada. Claro que nesse caso, o narcisismo pode ser o motivo dessa exibição. A pessoa quer se sentir valorizada e mais que isso, quer sentir que é grandiosa e para isso está sempre exibindo seus “grandes feitos”.
  • Comportamentos que visam destacar suas habilidades em excesso, muitas vezes em detrimento das relações interpessoais no ambiente de trabalho.

Exibicionismo como perversão

É importante mencionar que o exibicionismo é geralmente associado à perversão, uma das instâncias da personalidade na Psicanálise (Perversão – Neurose – Psicose).

A perversão e o exibicionismo são conceitos frequentemente abordados na psicanálise. Na teoria psicanalítica de Sigmund Freud, a perversão refere-se a padrões sexuais atípicos ou desviantes. O exibicionismo, por sua vez, é uma forma específica de perversão.

A perversão não é considerada uma categoria patológica por si só na psicanálise, mas sim uma variação natural da sexualidade humana. Freud argumentava que a sexualidade humana é complexa e multifacetada, e as perversões não são necessariamente indicativas de um problema psicológico.

O exibicionismo, em particular (dentro da perversão), é caracterizado pelo prazer sexual obtido através da exposição dos genitais a estranhos. Na teoria psicanalítica, isso pode estar relacionado a questões de narcisismo e busca de reconhecimento. Freud discutiu sobre o papel do olhar e do ser olhado na sexualidade, e o exibicionismo pode ser compreendido à luz dessas dinâmicas.

Lidando com uma Pessoa Exibicionista:

  1. Abordagem Empática:
  • Busque entender as motivações por trás do comportamento exibicionista, sem julgamento. Um dos motivos por detrás de certos tipos de atitudes exibicionistas pode ser uma forma de se defender de um sentimento de baixa autoestima. A pessoa pode se sentir mal consigo mesma e para tentar combater esse sentimento, ela desenvolve atitudes exibicionistas, para que as pessoas a seu redor possam fazer elogios e assim, a pessoa possa se sentir melhor. Claro, nunca podemos descartar uma atitude narcisista também.
  • Reconheça as possíveis inseguranças subjacentes que podem estar impulsionando esse comportamento.

Importante comentar algo aqui. Não estou dizendo que você deve tolerar um ato exibicionista perverso, de maneira alguma. Inclusive, a lei proíbe esse tipo de atitude em público.

Art. 233. Praticar ato obsceno em lugar público, ou aberto ou exposto ao público: Pena – detenção, de três meses a um ano, ou multa.

Código Penal Brasileiro

Quando eu falo em uma abordagem empática, me refiro principalmente ao exibicionismo narcísico, que muitas vezes não envolve a exposição genital pública (ou para uma pessoa ou grupo em particular). O narcisista exibe seus “grandes feitos” sem que essa exibição seja erotizada.

Por outro lado, uma pessoa que sai na rua sem roupas não necessariamente o faz porque é perverso. Essa pessoa pode estar passando por um episódio psicótico, e pode estar imaginando situações não sexuais, já que os psicóticos criam uma realidade paralela, que nem sempre é evidente para as demais pessoas. Lembre-se que o exibicionista perverso disfruta de um prazer sexualizado por se expor. O psicótico não necessariamente.

Estabelecendo Limites Saudáveis:

  • Comunique de maneira clara e firme quais comportamentos são aceitáveis e quais não são.
  • Incentive a busca de formas mais saudáveis de obter reconhecimento e validação, caso você perceba que tem atitudes exibicionistas

Motivações para o Exibicionismo:

Necessidade de Aprovação:

  • Pode ser uma tentativa de preencher lacunas emocionais através da aprovação externa, principalmente no caso de uma pessoa narcisista vulnerável
  • A insegurança pode impulsionar o desejo constante de validação.
  • O exibicionismo também pode ser uma defesa contra sentimentos profundos de vergonha e inadequação. A pessoa acredita que se exibindo, pode ter como resposta uma negativa de pensamentos ruins que a pessoa tem de si mesma (afinal, não sou feio/gordo/chato/etc)
  • Ao se destacar, a pessoa busca compensar essas emoções negativas.

Exibicionistas em todas as partes

Um detalhe importante é que praticamente todas as pessoas em algum momento, ou em muitos, vai apresentar um pouco de exibicionismo. Sabe aquele jantar elegante que você teve e quis postar no Instagram? E aquele prêmio que você recebeu no trabalho e fez questão de mostrar para seus contatos no Facebook?

O ser humano gosta de se exibir. Mas, claro, para tudo nesse mundo há limites. Conhecer esses limites preserva o bem-estar nosso e das pessoas em nossa volta.

Quer conversar comigo? CLIQUE AQUI.

bearded handsome man holding a clipboard

Medo de dizer o que pensa? Leia isso. Psicanálise Aplicada


Expressar a opinião é uma habilidade essencial para a vida em sociedade. É por meio da comunicação que nos relacionamos com os outros, compartilhamos ideias e construímos consensos. No entanto, algumas pessoas têm dificuldade em expressar suas opiniões, seja por medo de julgamento, de rejeição ou de conflito.

O que leva ao medo de expressar a opinião?

O inconsciente é a parte da mente que contém os pensamentos, sentimentos e memórias que estão fora do nosso alcance consciente. A psicanálise acredita que o inconsciente é um lugar de impulsos, desejos e conflitos que podem ter um impacto significativo em nosso comportamento, mesmo quando não estamos conscientes deles.

burnout agende sua consulta

O medo de expressar a opinião pode ser visto como um sintoma de um conflito inconsciente. A pessoa que tem medo de expressar sua opinião pode estar reprimindo pensamentos ou sentimentos que são considerados inaceitáveis ou perigosos. Vou dar alguns exemplos de situações e vivências que podem contribuir para que uma pessoa tenha dificuldades em se expressar livremente:

Autoritarismo dos pais: é importante dizer que há uma grande diferença entre autoridade e autoritário. Uma pessoa autoritária usa a intimidação para para impor suas opiniões e vontades. Geralmente, essas pessoas precisam gritar ou ameaçar para que os demais as obedeçam. Conhece alguém assim?

Por outro lado, uma pessoa que é uma autoridade não precisa de se impor. O que ela propõe geralmente é respeitado, pois os demais a veem como alguém que sabe o que está fazendo e reconhecem que é uma boa ideia seguir o que ela está propondo. Por outro lado, essa pessoa que é uma autoridade também valoriza as ideias dos demais, dessa forma, facilitando a comunicação e uma melhor tomada de decisões.

Quando uma criança cresce em um ambiente em que apenas deve obedecer “porque sim” e praticamente tudo o que ela pede ou propõe é visto como bobagem, ou como algo sem importância, ela pode crescer pensando que suas ideias não têm importância, o que é muito triste. Adulta, essa criança talvez evite propor ideias, pois pode pensar que sempre a outra pessoa terá melhores ideias.

Bullying: geralmente, quando se fala em bullying, as pessoas imaginam um grupo de crianças atacando verbalmente a uma outra criança. E sim, isso tem a ver com bullying realmente. Mas infelizmente, não é somente crianças e adolescentes que podem comenter bullying. Adultos também fazem isso e com grande frequência, muitas vezes disfarçando o ataque como uma “brincadeira”.

Pais, irmãos e outros parentes podem fazer “brincadeiras” com partes do corpo de uma criança, como as orelhas, a cabeça ou alguma característica de sua personalidade, como ser muito calado ou não ter muitas habilidades manuais, por exemplo. Isso vai destruindo a autoconfiança da criança, que a cada dia pensa que tem menos valor como pessoa. Com o passar do tempo, essa criança pode desenvolver um temor a se expressar, por achar que como ela não tem valor como pessoa, suas ideias tampouco terão.

Essa é talvez a mais cruel forma de bullying, pois geralmente ela é disfarçada de brincadeira ou até mesmo, como uma demonstração de “carinho”. Há crianças que, por tentarem se defender desse tipo de ataque, são vistas como “rebeldes” o que piora a situação.

Capacidades de comunicação diferentes: se uma pessoa têm capacidade de comunicação diferente, por exemplo, gagueira, problemas nos orgãos da fala ou padece de algum problema mental, ela pode desenvolver um receio de querer se comunicar, pensando que ninguém vai dar atenção para o que ela disser.

Existem diversos motivos que podem levar uma pessoa a ter medo de expressar sua opinião. Alguns dos mais comuns são:

  • Medo de rejeição: muitas pessoas têm medo de ser rejeitadas ou criticadas se expressarem suas opiniões, especialmente se essas opiniões forem diferentes das da maioria.
  • Medo de julgamento: o medo de ser julgado também é um fator que pode impedir as pessoas de expressarem suas opiniões. Algumas pessoas têm receio de ser julgadas por suas crenças, valores ou ideias.
  • Medo de conflito: o medo de conflito também pode levar as pessoas a evitar expressar suas opiniões. Algumas pessoas têm receio de causar brigas ou discussões se expressarem suas opiniões, especialmente se essas opiniões forem controversas.

Consequências do medo de expressar a opinião

O medo de expressar a opinião pode ter consequências negativas para a vida das pessoas. Algumas das consequências mais comuns são:

  • Dificuldade de se relacionar com os outros: pessoas que têm medo de expressar suas opiniões podem ter dificuldade de se relacionar com os outros, pois não conseguem compartilhar suas ideias e pontos de vista. Quando a pessoa se casar, pode ter grandes problemas com seu cônjuge, pois poderá simplesmente não se expressar, deixar que o outro decida tudo e quando sua opinião for pedida, a pessoa vai tentar se desviar disso. Com o tempo, essa pessoa vai acabar sendo vista como alguém que não quer se comunicar ou até mesmo o cônjuge pode começar a pensar que o outro não o ama ou não tem interesse nela ou nele. E claro, isso pode prejudicar o relacionamento.
  • Repressão de emoções: o medo de expressar a opinião também pode levar as pessoas a reprimir suas emoções, o que pode causar problemas de saúde mental, como ansiedade e depressão. Freud em uma ocasião comentou que os sentimentos não expressados sempre voltam de uma maneira terrível. Isso pode ser refletido de muitas maneiras, inclusive com sintomas psicossomáticos como dores de estômago, por exemplo.
  • Perda de oportunidades: pessoas que têm medo de expressar suas opiniões podem perder oportunidades de crescimento pessoal e profissional, pois não conseguem se posicionar e defender seus interesses.
    Nos relacionamentos amoros, pode ser que uma pessoa nunca consiga expressar seus sentimentos para outra pessoa, deixando de criar um relacionamento. Até mesmo no trabalho, a pessoa pode perder oportunidades de uma melhora em seu trabalho se tiver receio de expressar suas ideias.

Como superar o medo de expressar a opinião?

Superar o medo de expressar a opinião é um processo que requer tempo e esforço. Algumas dicas que podem ajudar são:

  • Comece aos poucos:Uma forma de se tornar mais assertivo é ir aos poucos, sem se forçar a situações muito desafiadoras logo de cara. Você pode começar por falar o que pensa em contextos mais tranquilos e familiares, e depois ir ampliando sua confiança para outras situações mais complexas.
  • Pratique a comunicação: Uma forma de aprimorar a expressão oral e a defesa dos seus pontos de vista é praticar a fala em situações diversas. Busque momentos em que possa se expor diante de uma plateia ou entrar em discussões construtivas. E sim, pode ser que no começo essa tarefa seja muito difícil de fazer, mas vale muito a pena se esforçar. Também, esteja preparado para ouvir ideias contrárias as suas, afinal, ninguém é obrigado a pensar exatamente como nós. Pense nas diferenças de opinião como uma maneira de aperfeiçoar sua linha de raciocínio.
  • Busque ajuda profissional: se o medo de expressar a opinião estiver causando problemas significativos na sua vida, procure ajuda profissional. Um terapeuta pode ajudá-lo a identificar as causas do seu medo e desenvolver estratégias para superá-lo.

É possível vencer!

Expressar a opinião é um desafio para muitas pessoas que sentem medo de serem julgadas, rejeitadas ou incompreendidas. Essa questão complexa pode ter origens diversas, como traumas, inseguranças ou falta de confiança. Porém, é possível superar esse medo com prática e dedicação. Expressar a opinião é uma forma de se comunicar melhor, fortalecer os vínculos, conhecer a si mesmo e afirmar seus valores.

Quer falar comigo? CLIQUE AQUI.

mecanismos de defesa

Mecanismos de defesa do ego, o que são? Psicanálise Aplicada

Mecanismos de defesa do Ego – Entendendo o conceito

Você já se perguntou como a sua mente reage quando se depara com situações difíceis, estressantes ou dolorosas? Como você consegue equilibrar as suas emoções, os seus impulsos e as suas expectativas sociais? A resposta pode estar nos mecanismos de defesa do ego, que são estratégias inconscientes que o seu psiquismo utiliza para proteger-se de conflitos, angústias ou sofrimentos. Esses mecanismos foram descritos pela psicanálise, a abordagem criada por Sigmund Freud, que afirma a existência de três instâncias psíquicas: o id, o ego e o superego. Neste artigo, vamos conhecer melhor essas instâncias e os principais mecanismos de defesa do ego que elas mobilizam. Vamos lá?

O id é a fonte dos impulsos primários, como os sexuais e os agressivos, que buscam a satisfação imediata e não levam em conta as normas sociais ou as consequências. Esses impulsos podem entrar em conflito com o ego, que é a parte da personalidade que se adapta à realidade e busca o equilíbrio entre o id e o superego. Para lidar com esse conflito, o ego utiliza mecanismos de defesa, que são estratégias inconscientes para evitar ou reduzir a ansiedade gerada pela tensão entre o id e o superego. Alguns exemplos de mecanismos de defesa são a negação, a regressão, o deslocamento, a racionalização, a sublimação e a repressão. Esses mecanismos podem ser úteis em situações pontuais, mas se forem usados de forma excessiva ou inadequada, podem prejudicar o desenvolvimento psíquico e a saúde mental do indivíduo.

Existem vários tipos de mecanismos de defesa, que podem ser classificados em diferentes níveis de maturidade e eficácia. Alguns dos mais conhecidos são:

  • Repressão: consiste em afastar da consciência os pensamentos, sentimentos ou desejos que causam angústia ou culpa. Por exemplo, uma pessoa que sofreu um trauma na infância pode reprimir essa memória e esquecê-la completamente.
  • Negação: consiste em recusar a aceitar a realidade que é dolorosa ou ameaçadora. Por exemplo, uma pessoa que recebe um diagnóstico de uma doença grave pode negar a sua condição e agir como se nada tivesse acontecido.
  • Projeção: consiste em atribuir a outras pessoas ou objetos as características ou sentimentos que são inaceitáveis para o próprio indivíduo. Por exemplo, uma pessoa que tem inveja de alguém pode projetar essa inveja e acusar o outro de ser invejoso.
  • Racionalização: consiste em justificar as próprias ações ou emoções com argumentos lógicos ou racionais, mas que não correspondem à verdadeira motivação. Por exemplo, uma pessoa que trai o seu parceiro pode racionalizar o seu comportamento dizendo que o fez por amor ou por carência.
  • Formação reativa: consiste em expressar o oposto do que se sente ou pensa, como forma de negar ou ocultar o verdadeiro sentimento ou pensamento. Por exemplo, uma pessoa que odeia alguém pode demonstrar uma excessiva simpatia ou gentileza por essa pessoa.
  • Sublimação: consiste em canalizar os impulsos ou desejos inaceitáveis para atividades socialmente aceitas ou valorizadas. Por exemplo, uma pessoa que tem uma forte agressividade pode sublimá-la praticando um esporte competitivo ou uma arte marcial.

Os mecanismos de defesa do ego são importantes para manter o equilíbrio psíquico e evitar o sofrimento excessivo. No entanto, eles também podem ser prejudiciais quando são utilizados de forma excessiva, distorcida ou inadequada, impedindo o indivíduo de enfrentar a realidade e resolver os seus conflitos internos.

É importante mencionar que esses mencanismos se chamam “mecanismos de defesa” por um motivo simples: eles serem para nos defender. Portanto, eles tem uma importância grande para nosso bem estar. Claro, como comentei, o abuso deles, assim como o abuso de praticamente qualquer coisa pode ser prejudicial.

Entender que estamos nos defendendo de algo nos ajuda a entender o que é importante para nós, nossos medos, valores e muito mais. É fascinante nossa mente!

Mas e você, quer falar comigo? CLIQUE AQUI.

woman in white dress shirt holding her lips

O que leva uma pessoa a desenvolver comportamento exibicionista? Psicanálise Aplicada

Desvendando o Exibicionismo: Uma Análise Psicanalítica Profunda

O exibicionismo, termo que encontra suas raízes na palavra latina “exhibere” (expor, mostrar), é um fenômeno complexo que pode se manifestar de diversas formas na vida das pessoas. Como psicanalista, é fascinante mergulhar nas camadas psicológicas que envolvem esse comportamento. Vamos explorar o que pode levar uma pessoa a desenvolver comportamentos exibicionistas, analisar exemplos e desvendar as nuances por trás dessa expressão peculiar.

1. Necessidade de Aprovação:

O exibicionismo muitas vezes está enraizado na busca incessante por aprovação e validação. Indivíduos que não receberam a devida atenção ou elogios durante seu desenvolvimento podem recorrer a comportamentos exibicionistas como uma forma de preencher o vazio emocional.

Exemplo: Um profissional talentoso que constantemente busca reconhecimento exagerado por suas realizações pode estar tentando compensar a falta de validação emocional na infância.

2. Lacunas na Autoestima:

A autoestima desempenha um papel crucial na formação da personalidade. Quando alguém possui lacunas significativas nesse aspecto, o exibicionismo pode surgir como uma estratégia para mascarar inseguranças profundas.

Exemplo: Uma pessoa que constantemente exibe suas conquistas materiais pode estar tentando construir uma imagem de sucesso para esconder dúvidas sobre seu próprio valor intrínseco.

3. Necessidade de Ser Visto:

O desejo de ser notado e reconhecido é inerente à natureza humana, mas em alguns casos, esse anseio pode se manifestar de maneira exacerbada no comportamento exibicionista.

Exemplo: Indivíduos que compartilham constantemente detalhes íntimos de suas vidas nas redes sociais podem estar buscando validação e conexão, mas acabam revelando uma necessidade profunda de serem vistos.

4. Dinâmicas Familiares:

A psicanálise frequentemente explora as influências familiares na formação da psique. Traumas ou dinâmicas familiares disfuncionais podem desencadear comportamentos exibicionistas como uma forma de lidar com conflitos não resolvidos.

Exemplo: Uma pessoa que cresceu em um ambiente onde as emoções eram reprimidas pode recorrer ao exibicionismo como uma tentativa de expressar sua individualidade e encontrar uma voz que foi silenciada na infância.

A análise psicanalítica do exibicionismo revela que por trás desses comportamentos aparentemente superficiais, há uma complexidade emocional significativa. É essencial abordar esses padrões de maneira compreensiva, ajudando os indivíduos a explorar e compreender as raízes profundas de seus comportamentos.

Ao compreender as motivações por trás do exibicionismo, podemos oferecer suporte emocional e trabalhar na construção de uma autoestima saudável, permitindo que as pessoas encontrem formas mais equilibradas de expressar suas necessidades emocionais.

Quer falar comigo? Clique aqui.

man and woman sitting on bench

Como lidar com ciúmes no relacionamento: uma perspectiva psicanalítica

Como lidar com ciúmes? O ciúme é uma emoção que pode afetar qualquer relacionamento, trazendo insegurança, desconfiança e conflitos. Neste artigo, vamos explorar a ótica da psicanálise e como um casal pode lidar com os ciúmes de forma saudável e construtiva.

Compreendendo as causas do ciúme

Antes de tudo, é importante entender que o ciúme não é uma emoção exclusiva de relacionamentos amorosos. Ele pode surgir em qualquer tipo de vínculo afetivo, como amizades e relações familiares. No entanto, no contexto amoroso, o ciúme muitas vezes está relacionado ao medo de perder o parceiro para outra pessoa.

Na psicanálise, o ciúme é visto como uma manifestação de insegurança e de um desejo de controle sobre o outro. Ele pode ser alimentado por questões do passado, como traumas de abandono ou traição, ou por problemas de autoestima e confiança.

Em outras palavras, uma pessoa que sofreu um abandono, uma traição ou alguma outra situação traumática em sua vida, pode acabar desenvolvendo diferentes níveis de ciúme. E é importante saber de esse possível fator para que uma pessoa seja ciumenta, porque nos ajuda a ver que a pessoa pode ter sido vítima de um episódio traumático e pode nos ajudar a entender melhor a situação e a pessoa também. Em muitos casos, uma pessoa ciumenta tanto é vítima quanto também faz vítimas.

Dicas para lidar com o ciúme no relacionamento

1. Autoconhecimento: O primeiro passo para lidar com o ciúme é buscar o autoconhecimento. Realmente, pode ser muito complicado para uma pessoa ciumenta admitir que tem essa característica. Geralmente, pessoas ciumentas tentam justificar suas atitudes, que às vezes podem ser bem exageradas, dizendo que “amam demais” ou que não é possível entender o que ela sente, já que é uma forma de amor muito intenso. Dificilmente uma pessoa ciumenta vai admitir que tem um problema grave com ciúme (caso seja grave). Por isso é tão importante que uma pessoa ciumenta reconheça seu status de ciumento/a.
É importante entender quais são as suas inseguranças e medos que estão por trás desse sentimento. A terapia psicanalítica pode ser uma grande aliada nesse processo, ajudando a identificar as causas profundas do ciúme e a desenvolver estratégias para lidar com ele.

2. Comunicação aberta: Uma comunicação aberta e honesta é essencial para superar o ciúme. É importante conversar com o parceiro sobre os sentimentos de insegurança e medo, expressando de forma clara e assertiva as suas preocupações. O diálogo sincero pode ajudar a fortalecer a confiança e a construir um relacionamento mais saudável.
Um casal que tenha problemas com ciúmes e não se comunica bem, com certeza põe em risco seu relacionamento. Uma crise de ciúme é uma agressão ao relacionamento. Depois que isso acontece, é importante esclarecer o que ocorreu, reforçar o sentimento que existe entre o casal e efetivamente, reconciliar a relação.

3. Confiança mútua: Construir confiança é fundamental para lidar com o ciúme. É importante que ambos os parceiros se esforcem para serem honestos, transparentes e respeitosos um com o outro. Estabelecer limites saudáveis e respeitar a individualidade de cada um também contribui para fortalecer a confiança na relação.
E esse ponto está diretamente alinhado ao ponto anterior, sobre manter uma comunicação aberta e franca. Um casal de se comunica bem, confia mais um no outro.
Esse é um ponto complicado: qual é a origem do ciúme? Vem do medo de perder a outra pessoa ou vem de uma falta de confiança nela? Um relacionamento sem confiança está condenado a desaparecer ou a existir de uma maneira zumbificada. Você não quer um relacionamento zumbi, não é mesmo?

4. Trabalho em equipe: O ciúme pode ser uma oportunidade para o casal trabalhar em equipe e fortalecer o relacionamento. Juntos, é possível identificar gatilhos e situações que desencadeiam o ciúme, buscando soluções e estratégias para lidar com eles de forma construtiva. O apoio mútuo e o comprometimento em superar o ciúme são essenciais nesse processo.

Crises de ciúme devem ser combatidas em equipe. Se apenas uma das partes do casal procurar lutar contra o ciúme, dificilmente vai conseguir. E ao mesmo tempo, isso significa que a responsabilidade por vencer esse sentimento é dos dois. Inclusive o membro do casal que não tiver essa característica, que não for ciumento.

Vale a pena lutar contra o ciúme

O ciúme pode ser um desafio em um relacionamento, mas também pode ser uma oportunidade para o casal crescer e se fortalecer. Ao compreender as causas do ciúme e adotar estratégias saudáveis para lidar com ele, é possível construir uma relação mais segura, confiante e feliz.

Nem sempre uma pessoa que sofre com ser ciumenta vai eliminar por completo essa característica de sua personalidade. Mas é possível manter sob controle o ciúme e dessa forma terem um relacionamento duradouro e feliz.

Além disso, um casal sempre pode procurar ajuda terapêutica para melhorar seu relacionamento. Se você gostaria de saber mais sobre isso, por favor, CLIQUE AQUI.

woman lifting barbell

Vício em exercício: quando algo saudável se torna nocivo para a saúde

Experiências traumatizantes podem deixar cicatrizes profundas na alma, mergulhando os indivíduos num mar de emoções avassaladoras. E enquanto todos buscam maneiras de se curar dessas feridas, alguns podem acabar se perdendo em caminhos obscuros. Um desses caminhos é o exercício excessivo. Sim, você leu certo! O exercício, normalmente associado à saúde e ao bem-estar, pode se tornar uma obsessão doentia. Neste artigo, mergulharemos fundo nos sinais de que alguém está usando o exercício como uma fuga perigosa para lidar com o trauma. Prepare-se para descobrir os segredos ocultos por trás dessas práticas extremas e aprenda como as pessoas próximas podem reconhecer os sinais reveladores. Abra os olhos para essa realidade perturbadora e descubra como ajudar quem atravessa essas águas turbulentas.

Quero deixar claro que fazer exercícios regularmente é sim, muito saudável. O que irei abordar nesse artigo é o vício nessa atividade, seus motivos e consequências.

Determinar quando o exercício é excessivo

Sabe, é meio complicadinho diferenciar entre exercício saudável e exercício em excesso. Depende muito de cada pessoa, sabe? Mas eu posso dar umas dicas pra você conseguir fazer essa avaliação:

  • Frequência: Se você se encontrar se exercitando diariamente, muitas vezes várias vezes ao dia, pode ser um sinal de exercício excessivo. Mas perceba que eu comentei “várias vezes ao dia” e não uma vez ao dia, ok?
  • Intensidade: Treinos excessivamente extenuantes que o deixam exausto ou com dor podem indicar exercício excessivo. É verdade que depois de treinar, podemos nos sentir um pouco doloridos, em especial as partes do corpo que foram alvo do treinamento. Mas se o cansaço for extremo e as dores forem muito frequentes, isso pode indicar que algo anda mal.
  • Inflexibilidade: Se você não consegue pular um treino ou adaptar sua rotina quando necessário, pode ser um sinal de exercício compulsivo.
  • Negligenciando outras responsabilidades: Se o exercício começar a interferir no trabalho, nas atividades sociais ou no autocuidado, é um sinal de alerta, um sinal muito forte!
  • Impacto emocional: Se o exercício se torna uma fonte de ansiedade, culpa ou obsessão, pode ser excessivo.

Compreendendo o exercício excessivo como mecanismo de enfrentamento

Malhar é realmente maravilhoso, não é? Não apenas oferece uma ampla gama de benefícios para a saúde física e mental, mas também serve como uma maneira fantástica de aliviar o estresse, melhorar o humor e aumentar o bem-estar geral. No entanto, é importante lembrar que às vezes nosso entusiasmo pelo exercício pode se transformar em obsessão, o que pode ter efeitos negativos em nossa saúde. É crucial encontrar um equilíbrio e ouvir nosso corpo para garantir que estejamos cuidando de nós mesmos tanto mentalmente quanto fisicamente.

O exercício excessivo muitas vezes surge como uma forma de lidar com o sofrimento emocional decorrente de um relacionamento traumático, em alguns casos. As pessoas podem recorrer ao exercício como um meio de se distrair de emoções dolorosas, alcançar uma sensação de realização ou restabelecer o controle sobre seus corpos quando se sentem impotentes em outras áreas da vida.

Em alguns casos, a pessoa acaba viciando em exercícios porque entende que se tiver um corpo “perfeito” isso pode compensar alguma outra suposta falha que ela tenha (real ou não). Em psicanálise, chamamos isso de “compensação” um dos muitos mecanismos de defesa do ego.


Reconhecimento de sinais de exercício excessivo

O exercício excessivo pode se manifestar de várias maneiras:

  • Comportamento compulsivo: Os indivíduos podem exibir uma necessidade imperiosa de se exercitar excessivamente, mesmo quando estão cansados ou lesionados. A pessoa pode começar a colocar fazer exercícios por cima de outras atividades importantes como o trabalho, família ou até mesmo se alimentar corretamente.
  • Problemas de saúde física: O excesso de exercício pode levar a lesões por uso excessivo, fadiga crônica e um sistema imunológico comprometido. Os entes queridos podem notar lesões recorrentes ou queixas persistentes sobre desconforto físico, devido à uma atividade física intensa e constante.
  • Humor: Aqueles que lidam com exercícios excessivos podem experimentar mudanças de humor, ansiedade ou irritabilidade, especialmente quando perdem um treino ou não puderam seguir o programa de exercícios que tinham planejado.
  • Negligenciar relacionamentos: Os entes queridos podem observar afastamento de conexões sociais ou interações tensas devido a compromissos com exercícios excessivos. A pessoa agora sente que precisa estar sempre treinando e não percebe que agora seu tempo disponível vai principalmente para atividades de treinamento físico.
  • Rotina rígida: Um horário de exercícios inflexível pode se tornar aparente, com os indivíduos achando difícil adaptar sua rotina às circunstâncias em mudança. Nada pode mudar no dia e na rotina, afinal, uma mudança poderia significar uma suposta “perca” nas atividades físicas.
  • Pensamentos obsessivos: As conversas podem frequentemente girar em torno de exercícios, dieta ou imagem corporal, e os pensamentos podem se tornar onipresentes.

Abordando o assunto com um ente querido

Se você suspeita que um ente querido pode estar lutando com exercícios excessivos, abordar o assunto com cuidado e empatia é essencial. Aqui estão alguns passos a serem considerados:

  • Escolha a hora e o local certos: Separe um espaço confortável e privado para a conversa. Certifique-se de que você e seu ente querido tenham tempo adequado para discutir o assunto sem interrupções.
  • Use uma linguagem não acusatória: Expresse suas preocupações com declarações que mostrem o que você sente, para evitar soar que você está apenas acusando a pessoa. Por exemplo, diga: “Percebi mudanças em sua rotina de exercícios e estou preocupado com seu bem-estar”.
  • Ouça ativamente: Incentive seu ente querido a compartilhar sua perspectiva sem interrupção. Deixe claro que sua intenção é oferecer apoio, não julgamento.
  • Sugira ajuda profissional: Recomende procurar orientação de um profissional de saúde mental, como um terapeuta que pode ajudar a resolver questões emocionais subjacentes e desenvolver estratégias de enfrentamento mais saudáveis.

Saiba identificar o exercício excessivo em você mesmo

Se você suspeita que seus próprios hábitos de exercícios podem ter escalado para níveis excessivos, o autoconhecimento é fundamental. Veja como avaliar seu comportamento:

  • Ouça o seu corpo: Preste atenção aos sinais físicos, como fadiga persistente, dor ou lesões, que podem indicar excesso de exercício.
  • Monitore suas emoções: Esteja atento ao seu estado emocional e esteja atento a qualquer mudança de humor, ansiedade ou irritabilidade que possa estar ligada à sua rotina de exercícios.
  • Busque informações de pessoas confiáveis: Consulte amigos ou familiares que possam fornecer uma perspectiva externa sobre seus hábitos e comportamento de exercício.
  • Considere a ajuda profissional: Se você suspeitar que está lutando com exercícios excessivos, procure um profissional de saúde mental para obter orientação e apoio.

Conclui-se que, embora o exercício possa ser um componente valioso do autocuidado, ele deve ser equilibrado com outros mecanismos de enfrentamento e orientado por um profissional de saúde mental quando necessário.

Tudo o que é bom, em excesso, é ruim para nós. E isso inclui o excesso de exercícios físicos. Procure ajuda, se perceber que isso pode estar acontecendo com você.

woman showing paper with prohibition sign

O Mecanismo de Defesa do Ego: Negando a Realidade – Psicanálise aplicada

unrecognizable black man showing no sign with index finger
Photo by Monstera Production on Pexels.com

O ser humano é complexo e, muitas vezes, enfrenta situações que são difíceis de lidar emocionalmente. Diante disso, nosso ego entra em ação e utiliza diferentes mecanismos de defesa para proteger-nos do desconforto e da ansiedade que algumas situações podem causar. Um dos mecanismos mais comuns é a negação.

A negação é uma estratégia psicológica que envolve rejeitar ou recusar-se a aceitar uma realidade dolorosa ou ameaçadora. É como se criássemos uma barreira mental que impede o reconhecimento consciente da situação em questão. Podemos negar fatos, sentimentos, pensamentos ou até mesmo nossa própria responsabilidade em determinadas circunstâncias.

Veja alguns exemplos práticos de como a negação pode se manifestar em nossa vida cotidiana:

A negação em ação:

Exemplo 1: Negando a Perda

Um exemplo comum de negação é quando uma pessoa enfrenta a perda de um ente querido. É natural sentir uma profunda tristeza nesse momento, mas alguns indivíduos podem negar essa dor como uma forma de autoproteção emocional. Eles podem se convencer de que a pessoa falecida ainda está viva, evitando assim a difícil realidade da morte. É verdade que nesse caso, esse mecanismo pode ser usado de maneira temporária, somente até que a pessoa consiga processar a informação do luto. Em outros casos, uma pessoa pode viver em negação, situação em que deve procurar ajuda terapêutica para lidar com essa situação.

Exemplo 2: Negando um Problema de Saúde

Outro exemplo pode ser observado em indivíduos que são diagnosticados com uma doença grave. Em vez de enfrentar a realidade e buscar tratamento adequado, algumas pessoas podem negar o diagnóstico. Elas podem recusar-se a acreditar na gravidade da situação e, consequentemente, adiar o início de um tratamento que poderia salvar suas vidas.

Infelizmente, esse tipo de negação é muito comum. Muitas pessoas morrem porque nunca quiseram procurar tratamento para problemas que tinham. Alguns desses tratamentos poderiam ter permitido que elas tivessem uma vida muito melhor.

Você talvez já tenha se deparado com uma pessoa dizendo que o que ela tem “não é nada”.

Exemplo 3: Negando um Trauma

Traumas emocionais também podem ser negados como um mecanismo de defesa do ego. Por exemplo, um indivíduo que sofreu abuso na infância pode reprimir as memórias dolorosas e negar completamente a existência desse evento traumático. Essa negação permite que a pessoa evite o sofrimento associado ao trauma, mas também pode dificultar o processo de cura e recuperação.

Claro, nesse caso essa negação é muito mais inconsciente e fortalecida por outro mecanismo de defesa do ego, o recalque.

Em alguns casos, a pessoa é consciente do que lhe aconteceu, mas prefere interpretar o abuso (que pode ter sido de qualquer tipo) como outra coisa, algo que não foi tão importante ou até “normal”. Isso acontece também quando uma pessoa sofre abusos de seu cônjuge, mas prefere pensar que esses abusos são na verdade normais e que até mesmo ela os “mereceu.”

.

A Negação e as Consequências

Embora a negação possa fornecer algum alívio temporário, é importante entender que essa estratégia de defesa tem consequências a longo prazo. Negar a realidade pode levar à estagnação emocional e impedir o crescimento pessoal. Além disso, pode prejudicar relacionamentos e criar um ciclo de negação contínua.

Ao utilizar a negação como mecanismo de defesa, estamos evitando enfrentar e lidar com nossas emoções e problemas de forma saudável. Isso pode resultar em ansiedade, depressão e até mesmo em problemas de saúde física. É crucial buscar apoio e orientação de profissionais, como psicólogos e psiquiatras, para trabalhar no desenvolvimento de estratégias saudáveis de enfrentamento.

Superando a Negação

Embora seja desafiador, é possível superar a negação e enfrentar a realidade de maneira construtiva. Veja algumas sugestões que podem ajudar nesse processo:

  1. Reconhecer a negação: O primeiro passo é tomar consciência de que estamos negando uma realidade. Autoavaliação é fundamental nesse processo.
  2. Buscar apoio: Contar com o suporte de amigos, familiares ou profissionais de saúde pode ajudar a enfrentar e processar emoções difíceis.
  3. Praticar a autocompaixão: Ser gentil consigo mesmo durante esse processo é essencial. Aceitar que haverá momentos de vulnerabilidade e dificuldade é importante para a cura emocional.
  4. Aceitar a realidade: Permitir-se reconhecer a verdade e lidar com as emoções que surgem com ela, é um passo fundamental para o crescimento e para encontrar soluções efetivas.

Lembrando que cada indivíduo tem sua própria jornada emocional, é importante buscar ajuda profissional, quando necessário. A negação é uma estratégia de defesa comumente utilizada, mas devemos estar atentos para não nos fecharmos às possibilidades de enfrentamento e crescimento pessoal.

A negação é um mecanismo de defesa do ego que nos permite enfrentar situações difíceis, ignorando ou rejeitando a realidade. Embora possa parecer reconfortante em um primeiro momento, é importante lembrar que a negação tem consequências a longo prazo. Ao buscar apoio e trabalhar no desenvolvimento de estratégias saudáveis de enfrentamento, podemos superar a negação e encontrar caminhos mais positivos para lidar com desafios emocionais.

Precisa de ajuda? CLIQUE AQUI.

worried woman during session with therapist

Preocupação: a comida favorita da ansiedade

A preocupação é o principal ingrediente, ou até mesmo a “comida favorita” da ansiedade. Foi demonstrado que estar preocupado é tão negativo quanto estar com raiva, é uma emoção que nos desgasta e paralisa, tem impacto direto na nossa saúde, gera tensão muscular e inquietação e se altera.

Está diretamente relacionada à nossa forma de perceber e avaliar as situações e à nossa capacidade de enfrentá-las e resolvê-las.

A Preocupação pode criar pensamentos que ficam martelando na cabeça e parece que você simplesmente não consegue sair deles, mesmo sabendo que em alguns casos, são pensamentos que nem sequer fazem muito sentido.

Relação Ansiedade e Preocupação

A relação entre ansiedade e preocupação sob a perspectiva da psicanálise é um tema de grande interesse e complexidade. A psicanálise entende a ansiedade como uma manifestação de conflitos internos e de defesas psíquicas para lidar com esses conflitos.

Segundo essa abordagem, a ansiedade surge como uma resposta emocional diante de ameaças percebidas, tanto reais quanto imaginárias. Essas ameaças podem estar relacionadas a desejos não realizados, traumas não resolvidos, medos inconscientes ou conflitos internos. A ansiedade é considerada uma emoção básica que ativa mecanismos de defesa para proteger o indivíduo do desconforto emocional.

Nesse contexto, a preocupação pode ser vista como uma forma de defesa contra a ansiedade. A pessoa se ocupa antecipando e imaginando cenários futuros para evitar entrar em contato com as emoções ansiosas subjacentes. A preocupação excessiva pode ser uma estratégia inconsciente para manter a ansiedade sob controle, evitando que pensamentos ou sentimentos perturbadores aflorem à consciência. Uma estratégia que não é muito eficiente, na verdade.

Na psicanálise, procura-se identificar as origens inconscientes da ansiedade e da preocupação, investigando o histórico pessoal, as experiências de vida, os desejos reprimidos e os conflitos internos. O trabalho terapêutico busca trazer à luz os conteúdos inconscientes que alimentam a ansiedade e a preocupação excessiva, permitindo que o indivíduo compreenda e integre essas questões em seu processo psíquico.

O objetivo final do tratamento psicanalítico é fornecer ao paciente uma maior consciência de si mesmo, do seu mundo interior e das causas subjacentes à sua ansiedade e preocupação. Ao explorar os conteúdos inconscientes e os mecanismos de defesa, é possível encontrar caminhos para trabalhar esses conflitos e buscar uma maior harmonia emocional.

As preocupações parecem surgir do nada, começam a gerar um grande murmúrio, nos impedem de raciocinar e se tornam incontroláveis.

É uma narrativa dirigida a si mesmo, que salta de preocupação em preocupação e muitas vezes é seguida de catástrofes imaginadas.

Em vez de encontrar soluções para esses problemas, as pessoas que se preocupam excessivamente mergulham no medo, veem perigos na vida que os outros nunca percebem e permanecem na mesma rotina de pensamento, fixando sua atenção nas situações temidas.

No nosso dia a dia as preocupações se tornaram algo natural, elas estão lá só porque estamos vivos. Aprendemos que a vida é sinônimo de preocupação, mas preocupação não é sinônimo de responsabilidade.

É assim que a ansiedade surge de duas formas: COGNITIVA ou pensamentos preocupados, e SOMATICA, sintomas fisiológicos da ansiedade, como tontura, sudorese, frequência cardíaca acelerada, falta de ar ou tensão muscular.

Isso é o resultado de como lidamos com as situações e, acima de tudo, das ideias que temos sobre esses problemas, como acreditar, que se pensarmos constantemente sobre a situação, de alguma forma controlaremos o que acontece.

De certa forma, a preocupação é um ensaio do que pode dar errado. Está associada ao medo, principalmente a não ter controle do resultado, a falta de clareza ou a incapacidade de prever o resultado do que nos preocupa.

A missão das preocupações é encontrar soluções positivas para enfrentar possíveis ameaças, e a melhor maneira de fazer isso é descartar o que é provável do real.

Você acha que o problema será resolvido mais rápido quanto mais você se preocupar? A preocupação fará com que você encontre uma solução eficaz? Se você respondeu “não” às duas perguntas, use esse tempo e energia para encontrar a solução. Lembre-se que “preocupar-se” implica em pré-ocupação, ou seja, é uma fase anterior à tomada de uma atitude. Pense neles como um desafio para testar suas habilidades e habilidades.

Às vezes, já realizamos todas as soluções possíveis, não há mais o que fazer, é hora de criar alternativas para resolver os problemas.

Uma possibilidade é mudar nosso ponto de vista sobre o problema, a partir de uma nova perspectiva podemos avançar e não ficar ancorados sem resolver o que nos preocupa.

Aqui estão algumas etapas que você pode seguir para começar:

– Anote o que te preocupa.

– Pergunte-se se está em suas mãos resolvê-lo.

– Quais passos você deve tomar para alcançá-lo.

– Que coisas você poderia fazer hoje.

– Quem poderia te ajudar.

– Quais são as vantagens que você terá ao resolvê-lo.

lembre-se, é melhor Ocupar do que preocupar.

Quer ajuda? CLIQUE AQUI.